ID Fashion se consolida no cenário da moda nacional

Quarta edição do evento reuniu 19 marcas, mais de duas mil pessoas e criação de moda feita no Paraná

A quarta edição do ID Fashion chegou ao fim com desfiles inspiradores, lotados, discussões sobre o presente e o futuro da moda. O evento, realizado pela Fiep e com correalização do Sebrae/PR, trouxe para Curitiba um recorte criativo e plural da moda no estado, que de janeiro a junho deste ano movimentou US$ 5,7 bilhões. Cerca de duas mil pessoas circularam pelos dois dias de evento.

Desfiles

Confira o que rolou na passarela do segundo dia de desfiles.

Soraya da Piedade

Alfaiataria requintada, cartela de cores delicada e detalhes étnicos aplicados de um jeito inovador. Esse é um resumo do desfile encantador da estilista angolana Soraya da Piedade, que mistura moda contemporânea e cosmopolita com sua raiz africana. Ela revisitou o pied de poule por meio de estamparia gráfica, que o ampliou e coloriu com cores esmaecidas. As máscaras tribais apareceram em bordados de miçangas e estampas. A modelagem veio em forma de conjuntos bem cortados, com inspiração na década de 1950, e vestidos amplos com bolsos. Os tecidos usados foram sarja e tafetá.

Leveza do Ser

A estilista Angélica Sanches revelou sua paixão pela moda de inverno. Na coleção Reencontro com o novo, o moletom apareceu reinventado em todas as formas, como pulls em matelassê, calças, casacos de alfaiataria, casulos confortáveis, golas estruturadas, além de tricôs volumosos. Na cartela de cores, duplas contrastantes como verde e branco, verde e mostarda, tons terrosos e bordô, cinza.

Recco

Os pequenos prazeres da vida foram desfilados pela marca de lingerie de Maringá, que recriou na passarela o sol da manhã, um passeio de bicicleta, tudo embalado por uma trolha sonora de clássicos italianos. No figurino, roupas de uma sensualidade romântica, como baby dolls rendados, quimonos leves, até chegar a conjuntinhos de lingerie provocantes na medida.

Top Sebrae/PR

O Sebrae/PR trouxe cinco marcas para o evento. All Hunter abriu a passarela com moda masculina, bem urbana, com presença de estamparia tropical em contraposição com padronagens mais clássicas, como o camuflado. A FZO trouxe mais rapazes para a passarela e o destaque da coleção Time Party ficou por conta das camisetas, que fazem alusão à temática.
Com coleção inspirada em ervas da natureza, a Milho Guerreiro veio com peças fluidas, renda sobreposta à malharia, coleção bem romântica, de saiões e vestidões. Para eles, sarja estampada e camisetas com aplicações. A milho Guerreiro trabalha com refugos de tecidos e por isso faz coleções praticamente exclusivas.
A moda clássica de Carlina Brugnera apresentou variações de trajes de festa, indo do branco aos nudes até chegar ao preto. Tecidos diferentes e aplicações trouxeram texturas diferentes para as roupas. Carla Bergamask, por sua vez, veio com uma moda prática e com a cara do verão, com destaque para os florais e cores terrosas.